quarta-feira

PESADELOS DENTRO DE OUTROS PESADELOS


mulher assustada pesadelo cama sonhos

Esse marco poético dissimado por Edgar Allan Poe em A Dream Within a Dream (um Sonho Dentro de um sonho),onde o ato de sonhar produz diferentes substratos ou planos de percepção onde você pode viver,e até mesmo se perder para sempre,também tem sua aplicação em de pesadelos.

Para desenvolver o conceito de pesadelos em outros pesadelos recorremos ao romance mais estranho,macabro,obsceno e fascinante já escrito sobre o assunto:(The Nightmare Arabian) O pesadelo Árabe,de Robert Irwin.

O romance conta a história de um homem chamado Balian,que no século XIV viaja para a cidade de Cairo. Exausto pela viagem,resolver dormir e tem um sonho perturbador no qual substrai o plano de consciência,e volta a dormir e sonhar,incessantemente.

Esta dinâmica leva a uma espécie de espiral descendente em regiões mais insondáveis do inconsciente. No livro, Balian sonha que desperta,mas esse despertar é apenas a entrada a um nível mais profundo do sonho inicial.

Alguns vão lembrar do filme de Christopher Nolan,Inception,onde você pode aprofundar mais e mais para as regiões do sonho,ou seja,construir sonhos dentro de sonhos;mas ali a  dinâmica e artificial,induzida. No entanto,essa estrutura narrativa existe desde que a fantasia foi inventada.

De certa forma,todas as histórias em que alguém acorda e entende que foi um sonho,fazem parte da estrutura de pesadelos em outros pesadelos.
Se o ato de sonhar só existe para o florescer o inconsciente,sem inibições,o ato de estar acordado é o sonho do inconsciente,ou seja,um espaço para sua consciência desenvolver inibições.

Em outras palavras,quando a nossa consciência dorme e entramos no reino do sono;e quando o inconsciente sonha e se produz o despertar. Neste sentido,acordar todos os dias é para ir para um nível diferente de um único sonho.

Conceitos como realidade são escassos para descrever qualquer um desses estados.Se o real se define em termos sensoriais,quem se lembra de seus sonhos vai perceber que as emoções que aparecem lá podem ser muito mais intensas do que a realidade.

Na verdade,a incapacidade para determinar o que é real entre o sono e a realidade pode ser explicado recorrendo a uma das regras do próprio sonho.Nada do que acontece nos sonhos parece incomum:como voar para encontrar uma pessoa morta. Só quando acordamos,percebemos que algo estranho estava acontecendo.

Mas e se o mesmo mecanismo ocorre na vida real?
Isto é,constantemente passando por acontecimentos estranhos na realidade,mas não adquire o caráter de incomum até que estamos sonhando.

Todos em definitivo,somos habitantes de um sonho,e a única maneira de acordar é continuar a sonhar cada vez mais fundo.
O conceito de pesadelo dentro de um pesadelo propõe que todos os sujeitos são parte do mesmo ciclo. Citando novamente Inception,o filme deixa claro que é impossível se lembrar dos momentos iníciais do sonho. simplesmente aparece em um lugar sem saber como chegaram lá. Não poderíamos dizer o mesmo do ato de despertar?

Os sonhos começam em algum lugar,mas não têm passado imediato. Tampouco,o despertar,por sua vez.
Uma acordado na cama,se você tiver sorte,mas ninguém consegue lembrar o que era o último lugar em que estava em seus sonhos;a menos que o despertar ocorra brutamente,no meio de um sonho.

De acordo com a proposta de Irving,isso prova que acordar de um pesadelo é um sinal de que nós caímos um passo nos níveis do sono; isto é,acordar para a vida real é uma formalidade,uma ilusão que esconde a descida em substratos mais profundos.

Agora,se ninguém pode lembrar-se como termina exatamente um sonho,tambem não podemos lembrar como chegamos lá.Da mesma forma,não podemos lembrar o momento exato de adormecer;no máximo,quando alguém nos perturba,nesse momento,podemos nos sentir que estávamos prestes a adormecer,mas não muito mais do que isso.

Lembre-se que pouco antes de cair no sono,o cérebro passa por uma série de processos que raramente estão mergulhadas na memória consciente.

No romance de Irwin,cujo nome,The Nightmare Arabian,refere-se ao Arabian Nights,mais conhecido como As Mil e Uma Noites,o ciclo do sono nunca termina,precisamente porque ninguém pode se lembrar do que aconteceu antes de acordar;ou seja,sem ligação da cadeia de consciência,mas transições imperceptíveis que fazem dos dois estados,sono e despertar,a mesma coisa.

Balian sobre inúmeras histórias que não têm começo nem fim. Cada uma é apenas um capítulo,um segmento,uma coisa incompleta que derrete e transformado em outros episódios igualmente incerto.

Qualquer semelhança com a vida real é puramente intencional.
Gostamos de acreditar que a vida é uma história,uma linha narrativa que passou por uma forma linear;no entanto,na maioria das vezes nós prendemos a um julgamento feito de momentos supérfluos,buracos,de rompimentos. O pior de tudo é que,ao acordar,nós conscientemente temos que continuar o mesmo sonho,o mesmo pesadelo que temos colocado em espera para dormir.