domingo

SUBCULTURA DOS VAMPIROS - O VAMPIRO COMO PREPADOR

Tags

Em o Máscarado 1, o vampiro não é somente um romântico como pessoa cruel, talvez representando os elementos bestiais da humanidade “O que significa ser vampiro? Vampiros não são seres com dentes caninos alongados, eles são monstros mascarados de humanos”.
Simplesmente como um vampiro baseia-se em humanos, ele vive no temor da besta dentro de si mesmo”.

Embora essas descrições estejam dentro de um contexto de jogo de fantasia , em alguns casos a fantasia se derrama sobre a realidade.
Um dos mais horríveis crimes cometidos por aqueles que alegam serem vampiros, dois assassinatos foram cometidos por um grupo de adolescentes vampiros, conduzidos por um jovem de 17 anos, filho de uma mulher que se considerava vampira. Antes dos assassinatos, alguns dos adolescentes beberam sangue um do outro.



Roderick Ferrell, o líder do grupo, foi sentenciado à morte em 1998, advertindo os adolescentes para não seguirem seu caminho e dizendo aos repórteres, após a sentença que ele se considerava um vampiro, mas não mais acreditando ser imortal ou possuir poderes especiais por ter bebido sangue.
O vampiro criminoso, contudo, é uma exceção Embora haja tensões violentas entre alguns grupos, isso não é norma.

Às vezes, aqueles que exercem o poder no alto são considerados os verdadeiros vampiros.
O diretor do Instituto de Pesquisas vampiras em Seattle, uma mulher em operação, disse que o autor de um livro da sociedade é um vampiro corporativo, como Bill Gates, que “se alimenta do trabalho dos outros”.
Essa visão da sociedade é a verdade vampira que foi expressada em Smashing Pumpkin?s, sucesso popular em 1990 “Bullet with Butterfly Wings”, que abriu linha para “O mundo é vampiro”.

Vampiro Paranormal: Muitos acreditam que há aqueles que podem extrair ou enfraquecer as energias psíquicas de uma pessoa.



Aqueles que aderem a essa visão acreditam que a pessoa que faz isso é um vampiro porque ele ou ela está tirando outra de usa aura, vitalidade, ou emocional, física ou energia psicológica.
O vampiro paranormal faz isso com poderes psíquicos, ficando fora do corpo, ou enviando um ataque em forma de pensamento à vítima.
Alguns na subcultura vampira pensam que beber sangue é feito apenas por vampiros que desejam ser iguais a outros, mas esses vampiros verdadeiros “se alimentam de uma alma”.

Teologia do Vampiro: Os jogos de Stephen Jackson deram direitos a dois livros que adaptam o “Lobo branco vampiro”: o mascarado” (White Wolf?s Vampire: Masquarede) e produziu o livro e guia do jogo Vampiro, a companhia mascarada (Vampire: The Masquarede Companion).
Durante todo o livro, os vampiros são referenciados como os “filhos de cão” ou “canitas”, numa crença de que esses vampiros são descendentes do Cão bíblico e maldito com sede de sangue.
Um clã dos seguidores do sem, são descritos como tendo começado há mais de “sete mil anos atrás, quando os filhos de Cão começaram a permitir primeiramente que seus pastores formassem civilizações” e o mais idoso desse grupo, denominado Sutekh veio a ser “adorado como um deus da noite e da escuridão”, eventualmente se chamando-se a si mesmo para se ajustar.




A missão desse grupo é corrupção, subverter e destruir o que é bom, nobre, idôneo ou bonito dentro da sociedade familiar e mortal”.
Um grupo de vampiros descreveram no jogo, o Sabbat, o arquinimigo do mascarado clã Camarila, que pode seguir os diferentes trajetos do Iluminismo, o qual pode incluir o hedonismo, rituais de sangue, serviço a demônios ou sobrevivência do mais apto.

Uma organização chamada O Templo, em Lacey, Whasington, publicou a bíblia do vampiro a qual inclui o “Credo vampiro”.
Parte dos estatutos desse Credo diz: “Eu sou vampiro.
Eu adoro meu ego e adoro minha vida; para mim o único Deus é esse. Eu exalto minha mente racional e não me prendo a nenhuma opinião que é um desafio à razão. Eu declaro que não há nenhum céu, como não há nenhum inferno, e vejo a morte como destruidora da vida. Eu sou vampiro.




Curve-se diante de mim” .
A verdadeira vida vampira alegou que esse grupo iria voltar no tempo, “próximo a Gênesis” e que o pecado seria perdoado; o perdão é salvação, consequentemente salvação é o pecado final”.
Isso deveria ser reconhecido entre vampiros.

Não há coerente ou consistente ideologia nessa subcultura. Uma Pode se encontrar vampiros que praticam ou acreditam no agnosticismo, magia, varias crenças ocultas, reencarnação, ou mistura desses.
A maioria dos vampiros refletem a mesma atitude dos góticos e todos esses tem direito a opinião própria.