quarta-feira

A ORIGEM DAS VAMPIRAS PART8

Tags

lilith assas pretas caveiras
Dois perfumes de aromas orientais, duas musas representando um desafio à virilidade e apetite do homem, que hora subjulga ambas para em seguida ser cativo desta força sobrenatural impressionante, onde a energia masculina é sugada e consumida num ritual primitivo que é uma relação sexual!
Nos oráculos, encantamentos, e feitiços para o amor decritos nas obras de ocultismo da idade média, o nome de Lilith está presente. Observem esta evocação de feitiçaria:“Faça-se a luz para o grande bode com suas ajudantes Sadrak, Abimelec e Cafmoot. Faça-se a luz para Astaroth com suas ajudantes Nebirus, Kobol e Dísjin. Faça-se a luz para Belzebuth, com suas ajudantes Baalarith, Sa
Este fragmento extraído do breviário de Nostradamos, é bastante significativo onde Lilith aparece em companhia de uma legião infernal de espíritos malígnos para realizar um fluído de ligação amorosa. Este tipo de prática era coisa abominável para o cristianismo, a igreja que detinha o poder absoluto na idade média, torturava e mandava à fogueira todo indivíduo suspeito de ser mago, bruxo ou feiticeiro, e usasse de tais práticas. E foi neste período onde a inquisição reinou com toda a sua abominável bestialidade irracional oriunda do dogma cristão, que o maior número de mulheres foram para a fogueira!

A bruxa (mulher sábia e independente), uma espécie de manifestação de Lilith, foi durante muito tempo o alvo dos hipócritas supersticiosos da idade média e uma quantidade significativa de gente acabou numa pira humana. Que horror!

Este dito “dia do perdão”, recentemente noticiado no dia 13 de março de 2000 a todo o mundo, o papa (“porco do diabo”, na expressão de Nietzsche), pediu desculpas pelos erros do passado, lançando um documento oficial onde reconhecia os gravíssimos erros cometidos pela igreja. Quanta hipocrisia novamente!

Não há perdão para tais crimes!
E a igreja é a maior culpada por todo o atraso cultural e científico do ocidente. Os orientais neste ponto foram fortes, o suficiente para não se deixarem dominar pela doutrina do cristianismo que pouco significado tem para eles… Mas, voltando à Lilith e ao vampirismo, que é o assunto central de nosso estudo e reflexão, mergulhemos no vácuo da solidão de uma noite fria de inverno, e em poucos minutos a nossa imaginação enxergará o sepulcro de Lilith entalhado em mármore desgastado pelo tempo, como alguns dos antigos túmulos do cemitério da Consolação, na cidade de São Paulo.