A ORIGEM DAS VAMPIRAS PART7 ~ TRIBO DOS GÓTICOS



Categoria:

A ORIGEM DAS VAMPIRAS PART7

vampira noturna corvo noite
Segundo Carl G. Jung, “uma palavra ou uma imagem é simbólica quando implica alguma coisa além de seu significado manifesto e imediato. Esta palavra ou esta imagem tem um aspecto inconsciente, mas amplo, que nunca é precisamente definido ou de todo explicado”.
Lilith se encaixa perfeitamente nesta visão jungeana de complexa simbologia mística onde o inconsciente é manifestado em todas as suas expressões.
Lilith é a noite, é a rainha da noite, é a lua, representa a lua, a oposição do sol. Lilith foge da luz, como uma vampira, precisa reinar nas trevas como algo desconhecido e que causa medo nas criaturas. Lilith é a mulher livre, independente, soberba em curvas sensuais e provocantes, é a dançarina do ventre, logo seduz o homem por dominar a fraqueza deste com seu poder maléfico de sedução. Lilith é o vaso, o homem é a semente! Ela aparece em uma outra obra judaíca, o “Talmude”, e novamente é reforçado o caráter notívago deste demônio alado, deste súccubus a enfeitiçar os homens para uma cúpula noturna bastante calorosa.
A vitória de Satã é exatamente a sua obra prima, este ser indestrutível, que seduziu o próprio “todo poderoso”, pois há relatos que Lilith tenha sido amante do próprio Jeová! E dentro de toda esta mitologia, com absoluta certeza reina “o eterno feminino” que até deuses seduzem. É o caso também da Vênus Afrodite greco-romana, onde todo o olimpo curvou-se em completo arrebatamento ao pousar os olhos na mais bela das belas, a “Vênus Citaréia”, que encantou todos os deuses, provocando intrigas, ciúmes e paixões cegas e desenfreadas, devido seu alto poder de sedução e beleza.
A presença simbólica e inconsciente do demônio Lilith pode ser identificada na obra de Sheridan Le Fanu, nascido em 1814 em Dublin, Irlanda, e falecido em 1873. “Carmilla” justifica essa afirmação.
Esta obra completamente voltada para o vampirismo descreve um ser malígno feminil que se alimenta de sangue, mas não é só a presença de uma vampira que caracteriza a obra, e sim o forte potencial erótico lésbico que completa os quadrantes mais significativos do livro.
Carmilla é uma espécie de Lilith moderna dentro da literatura gótica, onde a luxúria inebriante multiplica o potencial de sedução. Afinal, o lesbianismo simbólico ou real é para o inconsciente do homem, a mais alta expressão do prazer! Isto é fato e a psicanálise pode explicar, afinal a incessante busca de prazer nos seres humanos atinge o seu ponto máximo e somente a espécie humana tem esta capacidade de multiplicar o prazer e a fantasia como um meio de arrebatamento da realidade que se manifesta de forma tão estressante.
Parece que “Eva” e “Lilith” são uma só mulher, mas ao mesmo tempo são duas, dois prazeres diferentes e dois mistérios opostos de uma mesma essência que é contrária às forças da masculinidade do homem.

 
  • GeraLinks - Agregador de links
  • Copyright © TRIBO DOS GÓTICOS™ is a registered trademark.
    Blogger Templates Designed by Templateism. Hosted on Blogger Platform.